Cidades Inteligentes

Cidades Inteligentes

Tendo em vista que, no ano 2050, sete em cada dez pessoas viverão em cidades, é preciso tornar a urbanização mais inteligente, o que exige novas formas de abordar problemas como adensamento, consumo de energia e água, gestão de recursos e proteção ambiental. As cidades inteligentes operam de modo inovador às necessidades urbanas e criam um espaço em que redes e serviços tradicionais tornam-se mais eficientes com o uso de tecnologias digitais, inteligência artificial, automação, entre outros avanços tecnológicos para o benefício de seus habitantes e negócios.  

Cidade inteligente é “uma cidade inovadora que usa as Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs) e outros meios para melhorar a qualidade de vida, a eficiência da operação urbana e dos serviços e a competitividade, garantindo que as necessidades das gerações presentes e futuras sejam atendidas no que diz respeito aos aspectos econômicos, sociais e ambientais”. As cidades inteligentes empregam soluções inovadoras em busca de crescente sustentabilidade e resiliência urbanas.

A importância deste tópico se torna ainda mais perceptível ao levarmos em conta que a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável da ONU (Organização das Nações Unidas) dedica o Objetivo 11 – Cidades e Comunidades Sustentáveis – integralmente para tais questões, com o propósito de “tornar as cidades e comunidades mais inclusivas, seguras, resilientes e sustentáveis”.

Frente a esse cenário, construir resiliência urbana para as cidades brasileiras é crucial para evitar perdas humanas, sociais e econômicas. Indubitavelmente, as universidades brasileiras, incluindo a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), se apresentam capazes e atuantes para empregar sua competência e entregar soluções científicas à sociedade, de maneira a tornar as cidades mais inteligentes e, assim, continuar desempenhando amplamente sua função social. Para tanto, é urgente a adoção de ações concretas que resultem em projetos de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I).

A COPPE

Em relação ao contexto de cidades inteligentes, o complexo de PD&I responsável pelo desenvolvimento de soluções urbanas inteligentes da COPPE é composto por 55 laboratórios, uma incubadora de empresas com mais de 100 empresas residentes e graduadas, totalizando aproximadamente 33 mil m2, com investimentos da ordem de R$ 270,6 milhões. Ademais, as competências da COPPE em cidades inteligentes são evidenciadas na infraestrutura de PD&I; laboratórios de PD&I e recursos humanos qualificados em diversos campos da engenharia; além das soluções e tecnologias de transformação digital com aplicação multissetorial em cidades inteligentes.

Assim, a COPPE coloca em prática sua competência em Engenharia, Ciência e Tecnologia para, em parceria com outras Instituições Científicas e Tecnológicas (ICTs), empresas, agências de desenvolvimento e outros órgãos do Governo, atuar efetivamente em prol do desenvolvimento de cidades sustentáveis e resilientes.

O ecossistema e as cidades inteligentes

Cidades inteligentes exigem ecossistemas de atores públicos e privados para cocriar soluções inteligentes inovadoras. O ecossistema COPPE/UFRJ de cidades inteligentes concentra ciência e tecnologia capazes de garantir o desenvolvimento de programas de PD&I e tecnologias disruptivas na fronteira do conhecimento em cidades inteligentes. A infraestrutura de PD&I e os recursos humanos existentes na COPPE são bases fundamentais para gerar conhecimento e soluções inteligentes relevantes para a ciência e para a vida social e econômica do país. Sua atuação está orientada à solução de problemas complexos das cidades, com abrangência multissetorial, em oito eixos temáticos: energia, construções, logística, saúde, ar, água, saneamento e resíduos, mobilidade, monitoramento de eventos climáticos e governança.

Entre os potenciais entregáveis originários do ecossistema COPPE/UFRJ de cidades inteligentes, merecem destaque: (a) soluções urbanas inteligentes resultantes de projetos de PD&I nos eixos temáticos de atuação; (b) agenda governamental nos Municípios e Estados para o planejamento e a implementação de cidades brasileiras mais sustentáveis e resilientes; e (c) infraestrutura de pesquisa composta pelos recursos humanos e o complexo de laboratórios da COPPE/UFRJ para o desenvolvimento das tecnologias de transformação digital para cidades inteligentes.

Cluster de cidade inteligente e o laboratório vivo da Universidade

Um dos projetos do ecossistema COPPE/UFRJ de cidades inteligentes visa promover um cluster de soluções tecnológicas de abrangência multissetorial que possa transformar a Cidade Universitária em uma cidade inteligente.

A promoção de um cluster de soluções está inserida no contexto das áreas de inovação, caracterizada por um lugar – como uma cidade, região, distrito ou área metropolitana – e por elementos – como recursos humanos, programas, serviços, infraestrutura, orientados ao fomento da inovação –, de modo que a aproximação geográfica de especialistas em redes heterogêneas favorecerá a sua colaboração e o desenvolvimento de inovações, o que é de suma importância para o objetivo de gerar desenvolvimento econômico e social. Além disso, os números da Cidade Universitária permitem compará-la a uma cidade de médio porte e, com isso, o emprego do campus universitário como laboratório vivo viabiliza a aplicação e o acompanhamento de soluções urbanas, as quais podem ser replicadas em outros locais.